MediaPrimer

2017-07-21
FireTrack é sistema inovador de detecção de incêndios em tempo real

As consequências devastadoras dos incêndios podem ter os dias contados, graças a um sistema de detecção de incêndios que uma parceria liderada pela MediaPrimer – Tecnologias e Sistemas Multimédia está a desenvolver, em conjunto com três outros parceiros: ISA – Intelligent Sensing Anywhere, IPN - Instituto Pedro Nunes e ADAI - Associação para o Desenvolvimento de Aerodinâmica Industrial.

As boas notícias chegam com o FireTrack, um sistema de detecção e/ou acompanhamento da evolução de fogos florestais, baseado em redes de sensores sem fios, comunicações por GSM (SMS) com os clientes e por TCP/IP com o servidor central e num Sistema de Gestão de toda a informação. Ao detectar condições potenciais de incêndio, ou uma ignição, o FireTrack comunica imediatamente a situação aos clientes do sistema, que poderão ser as autoridades competentes, o que vai permitir uma resposta mais rápida e, consequentemente, mais eficiente.

No âmbito da parceria deste projecto QREN - SI I&DT à MediaPrimer cabem, para além de todas as funções inerentes à função de promotor líder do projecto, o desenvolvimento do sistema central de gestão georreferenciada da rede de sensores e de toda a informação do sistema, à ISA o desenvolvimento da rede de sensores sem fios que monitoriza continuamente a temperatura do ar, ao IPN o desenvolvimento da infra-estrutura tecnológica de ligação da rede de sensores ao sistema de gestão central e à ADAI o suporte científico na área dos incêndios florestais e realização de testes no terreno.

Num momento em que são noticiados cortes no combate aos fogos em 20%, esta promete ser uma preciosa ajuda contra o flagelo das chamas. Para além de permitir uma maior eficiência na detecção e nas operações de combate aos fogos, ao fornecer informação em tempo real, o FireTrack reduz os riscos de perdas humanas e materiais
ao possibilitar uma reacção imediata das equipas, evitando-se assim a propagação descontrolada do fogo.

Resultados demonstrados pelo FireTrack

Os primeiros testes efectuados confirmam as potencialidades do novo sistema. No segundo semestre de 2010 os ensaios laboratoriais foram muito positivos e, no início deste ano, o FireTrack apresentou resultados muito satisfatórios nos ensaios realizados no Laboratório de Estudos sobre Incêndios Florestais, na Lousã.

Dos ensaios laboratoriais aos ensaios no terreno, o FireTrack voltou a passar com distinção também no teste em campo aberto, no último mês de Maio.

O local escolhido foi o Campo da Gestosa, uma zona de serra a cerca de cinco quilómetros de Castanheira de Pêra O ensaio consistiu na encenação de um incêndio real, com a queima controlada de várias parcelas de mato com a duração de sete horas. Estiveram envolvidas nesta operação cinco corporações de bombeiros Voluntários, de Castanheira de Pêra, Lousã, Condeixa, Miranda do Corvo e Figueiró dos Vinhos, e uma equipa de sapadores florestais. Este ensaio envolveu um total de trinta bombeiros e sete viaturas, uma equipa de pirotecnia e a equipa da ADAI, constituída por dez elementos e duas viaturas todo o terreno, para além das equipas técnicas dos restantes parceiros do projecto.

O objectivo foi avaliar, numa situação de incêndio, o comportamento global do sistema. A monitorizar a zona esteve uma rede de 11 sensores que, para além de terem detectado e comunicado a presença de incêndio ao sistema central de gestão do sistema, resistiram às chamas e continuaram a comunicar após a extinção do incêndio. Como os resultados foram muito satisfatórios, a solução está em condições de começar com muita brevidade a sua comercialização.